segunda-feira, 9 de março de 2009

Viradas da vida 4

-Víctor, preciso falar com você!
-L-LUÍS? Quer dizer, fale!
-Com licença Júlia!- a menina saiu sem dar uma só palavra. O clima era tenso.
-Você não ficou chateado com que viu agora não é? –víctor começou.
-Não! Alias, não mais! Eu já estive chateado antes, mas agora já superei.-sua voz era firme, uniforme.- Você precisa aprender, Víctor, que fofocas correm rápido! E é claro que um dia chegaria aos meus ouvidos a notícia de que você contou à SARA, que eu gostava da Júlia! Eu sabia que você era capaz de muita coisa ruim, mas trair o seu melhor amigo... como você foi capaz?! ME TRAIU! EU CONFIEI EM VOCÊ!
-ÊA! Calma aí cocada! Eu errei sim, mas agora o que posso fazer? Foi mau, escapuliu.
-Pedir desculpas é o mínimo, por mais que eu não as aceite. E tem mais! O QUE te leva a dizer a todos que eu sou duas caras e falso? Quero dizer, por que me chama de amigo, se nem é capaz de chegar na minha cara e dizer isso? Você sempre foi cara de pau mesmo não é?
-Olha Luís, eu te acho duas caras sim, se é o que você quer saber! E tem muita gente que concorda, por mais que eu não tenha espalhado pra todo mundo, eu sei que muita gente acha isso! Agora por favor, para de gritar comigo que isso faz mal pra pele!
-Tá! Vá lá então passar uns creminhos pra repor. Só vê se cria alguma masculinidade pra ter coragem que falar as coisas na minha cara e não pelas costas. Tchau viadin...- Luís não foi capaz de terminar a frase, sentiu algo pesado acertando-lhe a face, bateu contra algumas cadeiras que cortaram o seu braço e quando estava prestes a revidar, Juliana o segurou, impedindo.
Como se fosse programado, o diretor entrou na sala naquele momento, “o que está havendo?" Perguntou.
-Alí diretor, foi ele que começou!- Júlia se esganiçava apontando para Luís, que viu uma sombra de sorriso nos lábios de Víctor.
-Os dois, pra minha sala- o diretor bradou, saindo Dalí, com os dois garotos nos seus calcanhares.
Suspensão para ambos. A segunda de Luís, sétima de Víctor. Este, entrou em matrícula condicional, e 10 anos depois, estaria sendo preso por agressão à sua namorada, uma tal de Júlia Souza, e tentativa de suborno ao responsável pelo caso.

1 comentários:

Cherry Chérie disse...

Nossa! Surpreendente o final! Muito bom! Parabéns!!!

Postar um comentário